A importância do uso e da gestão de indicadores na construção civil

Peter Drucker, o pai da administração moderna, é autor de uma das frases mais icônicas relacionadas à área. Quando afirma que “o que pode ser medido pode ser melhorado”, deixa claro que o controle de uma operação passa pela gestão de indicadores. E não é diferente na construção civil.

Neste post, você entenderá a importância dos indicadores para o setor, os benefícios da gestão de indicadores para as empresas e como coletar informações relevantes com o auxílio da mobilidade. Confira:

1. O papel dos indicadores na construção civil
2. Como os indicadores contribuem para o sucesso da empresa
3. Benefícios de uma gestão de indicadores eficiente
4. Principais indicadores do mercado
5. Coletando indicadores com o auxílio da mobilidade
6. O impacto da mobilidade na tomada de decisão

Boa leitura!

O papel dos indicadores na construção civil

O setor tem uma rotina bastante peculiar se comparado a outras áreas — como a indústria, por exemplo. Mesmo assim, ainda não utiliza indicadores em escala como um aliado para melhorar continuamente a performance de um processo.

Um parque fabril, por exemplo, conta com a planta industrial — que não tem a capacidade de se mover/deslocar de um lugar para outro por vontade própria e que, depois de anos operando, segue uma rotina similar. Já na construção, esse trabalho está em constante transformação.

Seja em virtude do próprio canteiro (em constante transformação) ou mesmo dos envolvidos e do tipo de serviço executado, a criação de indicadores e a coleta de informações que servirão como base são dois passos complexos. No entanto, gerir o negócio só é possível se a sua construtora criar formas de mensurar a eficiência e o modus operandi da equipe.

Porém, apenas a criação de indicadores não será suficiente para resolver o problema da sua empresa. Os indicadores são, na verdade, o primeiro passo para a gestão eficaz.

Ao criar modelos de avaliação na construção, é preciso garantir que eles sejam aplicados e que as informações coletadas possam ser estudadas em tempo hábil. É neste processo que a mobilidade faz toda a diferença.

Como a gestão de indicadores contribui para o sucesso da empresa

Você só poderá avaliar se a operação da sua construtora é eficiente se contar com informações que permitam realizar esta avaliação.

Um dos grandes desafios é justamente criar e selecionar estes indicadores. Antes de definir quais deles farão parte da sua rotina de trabalho, é preciso selecionar os que realmente são importantes e que podem resultar em alguma ação ou melhoria.

Gerenciar indicadores também significa lidar de forma eficaz com uma série de desafios que o setor enfrenta. Dentre eles:

  • Garantir a segurança da equipe e do trabalho executado, mesmo com frequentes reduções de orçamento;
  • Planejar e organizar todas as normas de segurança do trabalho implementadas;
  • Fornecer ao trabalhador qualidade de vida e tranquilidade para o exercício da função, seguramente gerando aumento de produtividade;
  • Manter programas de educação com os colaboradores, criando um ambiente de atuação onde todos conhecem seu papel para a garantia de segurança das equipes;
  • Adotar uma política preventiva e imparcial, contando com um time de gestão comprometido com a segurança e a saúde ocupacional.

Já para o engenheiro, que habitualmente é o responsável pela rotina da obra, existem diversas cobranças que podem ser substituídas por resultados efetivos através do uso e da gestão de indicadores. Por exemplo:

  • Mais produtividade da equipe;
  • Orçamento mais enxuto e finalização da obra dentro dos valores previstos;
  • Controle de processos, garantindo que haja cumprimento das normas estabelecidas e entregas dentro dos prazos;
  • Cronogramas reduzidos e com tempo sempre curto para execução das atividades, que precisam ser finalizadas no tempo previsto.

Benefícios de uma gestão de indicadores eficiente

Se você ainda tem dúvidas sobre a importância da gestão de indicadores, veja alguns dos benefícios que ela pode trazer para sua construtora:

Informações antecipadas sobre a obra

Quando a equipe que está em campo coleta informações relacionadas ao trabalho, a gerência conta com informações que apoiarão a tomada de decisão e a avaliação dos próximos passos do projeto. Essas informações podem revelar desde o correto uso de equipamentos até a produção do dia.

Conhecimento sobre o processo construtivo

A partir da coleta de informações sobre a obra, é possível criar rotinas mais eficientes para determinados serviços. Isso permite reduzir custos e agilizar processos.

Você sabe quanto tempo uma equipe com determinado número de pessoas leva para concluir um serviço? Quantas horas de locação de um equipamento serão necessárias para isso?

Planejamento prévio da obra

Na maioria dos casos, existe um orçamento do projeto, e as execuções vão ocorrendo naturalmente. Nem sempre há planejamento ou acompanhamento de custos. Isso porque não existe a coleta de informações que possibilitem a criação e a gestão de indicadores.

Quando isso ocorre, somente no final do projeto serão avaliados erros e acertos, pontos de melhoria — isso quando é possível verificá-los. Em suma, usar indicadores significa prever melhorias durante todo o processo construtivo e pensar a obra previamente, com uma otimização global da obra.

Principais indicadores do mercado

Existem algumas informações que comumente são coletadas para posterior avaliação. Nas obras, as principais questões estão relacionadas a:

Principais indicadores do mercado - Gestão de Indicadores

Se a sua empresa ainda não conta com indicadores, os pontos acima devem ser os principais segmentos a serem avaliados.

Isso porque as informações coletadas permitirão saber se a equipe é produtiva (ou por que não o é), se as regras trabalhistas estão sendo cumpridas, se a legislação e as questões relacionadas às certificações estão sendo avaliadas e quais são os pontos que necessitam de intervenção.

Abaixo estão alguns dos principais indicadores para a construção civil. Confira:

Gestão de pessoas e RH

São aqueles que auxiliam no gerenciamento das capacitações, da jornada de trabalho, da incidência de faltas, da rotatividade de mão de obra, entre outras questões.

No canteiro, por exemplo, podem ser coletados dados como assinaturas dos participantes em cada treinamento, conferência da documentação trabalhista, verificação de presença a cada dia e registro do motivo de uma falta.

Com isso, a gestão poderá avaliar a necessidade de contratação de uma equipe maior ou mesmo a redução de determinadas funções. Pode ainda acompanhar as questões trabalhistas relacionadas à documentação e aos afastamentos, atuando para a redução desse índice e criando ações para evitar a rotatividade.

Segurança do trabalho

Aqui serão coletadas informações referentes ao uso de equipamentos de proteção coletiva ou individual, ao índice de acidentes e de gravidade dos mesmos, às auditorias realizadas, etc.

É importante que exista um profissional responsável pelo registro das informações em cada etapa, local ou processo da obra. Essas informações servirão para verificar não só a vida útil dos equipamentos e a necessidade de treinamentos em relação ao uso deles, como também a melhoria nos locais de trabalho para garantir maior segurança.

Há ainda a questão jurídica, sendo que as informações levantadas poderão ser utilizadas como meio de comprovação do cumprimento das normas de segurança no trabalho. As auditorias, por exemplo, são fundamentais para a gestão de indicadores.

Gestão da qualidade

Além de auxiliar na obtenção de certificações de qualidade (como a ISO e o PBQP-H), a gestão de indicadores de qualidade apoia as empresas na hora de garantir a satisfação do cliente.

Isso porque os dados coletados facilitam a melhoria dos serviços para aprovação em futuras auditorias, bem como auxiliam na redução de retrabalho caso o cliente desaprove a entrega final.

No caso de apartamentos, por exemplo, antes da etapa de vistoria e entrega das chaves, é importante que a própria construtora avalie os serviços. Assim, evitam-se contratempos como atraso nas entregas ou nova revisão após a ida do cliente ao local.

No caso das auditorias de qualidade, em tempo de obra, a empresa poderá também controlar e avaliar os serviços de terceiros. Nesse contexto, é possível fortalecer algumas parcerias mais produtivas ou substituir fornecedores que não alcancem os padrões estabelecidos.

Coletando indicadores com o auxílio da mobilidade

Imagine um projeto com mais de mil profissionais envolvidos, muitos deles terceirizados, executando uma centena de tarefas diariamente.

Ao aplicar a avaliação desses serviços com base nos indicadores criados pela construtora, é necessário que as informações cheguem ao gestor a tempo para uma tomada de decisão eficaz. E não será uma anotação em papel (que pode até mesmo se perder) que irá garantir isso.

No caso das apropriações, relacionadas ao uso de insumos e mão de obra, o registro em papel causa perda de eficiência e confiabilidade das informações. Isso porque, após serem coletadas, essas informações são encaminhadas para o escritório da construtora, repassadas para o computador e só então compiladas (quase sempre manualmente) para serem avaliadas dentro dos indicadores criados.

Nesses casos, até que a informação chegue à gerência, a tomada de decisão será ineficaz. No ciclo da obra, muitas vezes a informação já está ultrapassada ou o serviço está em fase de conclusão. São dias, ou mesmo semanas, até que as informações cheguem ao gestor.

A grande sacada aqui diz respeito ao uso de aparelhos móveis, sistemas de gestão e ferramentas que permitam a captação, o envio e a avaliação dos dados em tempo real.

E, para isso, existem diversos meios! São dispositivos móveis como catraca virtual, scanner móvel, balanças eletrônicas, drones, sensores de presença, códigos de barra, tags e outros. Um bom exemplo disso é o Mobuss Construção, que facilita a obtenção de informações atualizadas através de seus módulos integrados.

Mais agilidade com o Mobuss Construção

No caso do Mobuss Construção, os indicadores — que variam de acordo com cada empresa e devem ser configuráveis e flexíveis —  são coletados e transmitidos em poucas horas.

Sejam informações de inspeção, trabalho, segurança, insumos ou maquinários, o registro é sempre feito via tablet e, por vezes, conectado a outros dispositivos como os citados acima. Através do Mobuss Construção, o profissional pode aplicar, por exemplo, um questionário pré-formatado e garantir uma gama de informações compiladas automaticamente.

No caso da entrega de empreendimentos, por exemplo, é possível criar índices de satisfação de acordo com os serviços que serão conferidos na auditoria. As informações são transmitidas para a central e de lá já é possível conferir dados consolidados.

Os dados coletados são mais confiáveis, já que não precisam ser digitados manualmente. Além disso, é possível ter uma visão macro e micro do trabalho realizado.

Quando utilizados através dos indicadores, esses dados garantem agilidade na tomada de decisão e na redução de perdas, além de melhor aproveitamento de insumos, equipamentos e mão de obra.

O impacto da mobilidade na tomada de decisão

Um simples erro de interpretação na rotina de um canteiro de obras pode significar um prejuízo sem precedentes. Pode ser a instalação incorreta de revestimentos, a falta de treinamento da equipe ou o uso indevido de EPIs.

Se você não controla esse tipo de informação, não conseguirá reverter o prejuízo e só se dará conta dele ao fim do projeto, quando o orçamento previsto e as despesas ao longo do trabalho forem avaliadas.

Por isso, mais do que coletar e disponibilizar as informações, as soluções móveis apoiam a gestão de indicadores para a tomada de decisão.

De nada adianta ter em mãos informações da obra se o prazo para reduzir danos já foi esgotado. Portanto, é fundamental apostar em soluções que garantam a coleta e a gestão de indicadores em poucas horas.

Vantagens

Entre as vantagens do uso da mobilidade na gestão de indicadores para a tomada de decisão, estão:

  • A redução de custos;
  • O diagnóstico de ações na rotina do canteiro que influenciam a produtividade;
  • O cumprimento das normas trabalhistas;
  • A realização de inspeções de segurança;
  • A definição e o acompanhamento de metas.

Há ainda a possibilidade de utilização de parâmetros de comparação para orçamentos futuros, gestão de recursos e pessoas de acordo com cada tipo de serviço ou projeto, e intervenção em atividades que estejam causando prejuízos na rotina.

Outro ponto é que a mão de obra bem aproveitada será um ganho que só a gestão de indicadores irá proporcionar. Atualmente, os profissionais envolvidos podem representar 50% dos custos de um projeto.

Por fim, esses recursos podem ser otimizados somente com o uso de dispositivos móveis para a coleta de informações sobre o trabalho e a gestão de indicadores eficaz.

O que você achou deste artigo? Deixe seu comentário abaixo!

Caso queira saber mais sobre o assunto e entender como o Mobuss Construção pode auxiliar na gestão de indicadores da sua empresa, entre em contato conosco.

Luiz Carlos M. Scheid - Gestão de Indicadores

 

Escrito por: Luiz Carlos M. Scheid — Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia de Produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *