7 dicas indispensáveis para implantar um sistema de gestão de qualidade em sua construtora

Em qualquer tipo de empresa, ter um sistema de gestão de qualidade (SGQ) é muito importante, já que um produto ou serviço de boa qualidade atrai e fideliza clientes. Essa relevância, porém, não fica só nas entregas em si, mas nos processos também. A qualidade, nesse quesito, gera economia para a organização através da diminuição de retrabalho e de atrasos, dois grandes problemas enfrentados na indústria de construção.

Quando os procedimentos são bem detalhados, acompanhados e os funcionários sabem o que e como fazer, usando apenas os recursos necessários, o retrabalho é mínimo. Na construção, ele costuma originar altas despesas – primeiro com material que, muitas vezes, tem de ser readquirido, mas também com os colaboradores envolvidos, que continuam sendo pagos por todo o período da refação.

Os atrasos, em função de um planejamento mal feito, custam igualmente caro, pelo elevado valor das equipes técnicas de engenharia e dos empregados da obra. Na indústria de construção, os funcionários, geralmente, saem de um canteiro diretamente para outro. Se a primeira edificação estiver atrasada, o que acontece é o efeito dominó, gerando um grande impacto na construtora.  

O que é um SGQ? Quais as principais normas envolvidas em sua elaboração?

O sistema de gestão de qualidade é uma ferramenta que padroniza processos e melhora o controle, visando o constante aprimoramento das atividades. De maneira simples, é um instrumento utilizado para que as expectativas dos consumidores quanto aos produtos e serviços oferecidos pela empresa sejam atendidas. Existem algumas normas que auxiliam em sua elaboração. Veja a seguir:

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H)

O PBQP-H tem como propósito organizar o setor da construção através de ações desenvolvidas pelo Ministério das Cidades. As duas questões principais abordadas pelo programa são: melhoria da qualidade do habitat e modernização.

ISO 9001:2015

A ISO 9001 é a regulamentação central quando se trata de qualidade, com aplicação internacional. Esta norma foi atualizada em 2015 e trouxe mudanças quanto aos responsáveis por sua execução: ela não se refere mais à qualidade como um assunto apenas do Representante de Direção, mas de toda a alta direção, por exemplo.

Isso foi feito para que não haja mais somente uma pessoa encarregada do processo de qualidade. Isso causava problemas como uma certa resistência a modificações por parte do resto da organização. Agora, toda a alta gestão é responsável, o que dá mais importância às lideranças na hora de passar todas as informações e metas estabelecidas pelo SGQ.

Assim, isso se reflete diretamente na qualidade da construção. Não há mais a visita de um “fiscal” em um dia agendado e em que tudo na obra é arrumado. São vários incumbidos de realizar essa tarefa e cobrar constantemente.

Como implementar um sistema de gestão de qualidade

Acompanhe as 7 dicas que preparamos!

1. Selecionar a norma a ser aplicada e avaliar suas condições e exigências

Dentro das normas de qualidade, é preciso escolher, pelo menos, uma. É possível enquadrar-se em mais de uma diretriz, mas, em uma primeira implementação e com a quantidade de informação a ser trabalhada, é interessante começar por aquela que represente melhor o que a construtora procura.

2. Avaliar todos os atuais processos de qualidade da construtora

É provável que, de alguma maneira, a qualidade já esteja sendo trabalhada dentro da empresa, mesmo que informalmente. Antes de dar o próximo passo, no entanto, é preciso analisar o que já foi feito, para poder planejar o futuro.

Essa é uma etapa de autoconhecimento e ela não deve servir para encontrar culpados pela falta de qualidade em algum setor. Esse também deve ser o começo da coleta de informações que serão usadas posteriormente, além de uma oportunidade para disseminar a importância do sistema de gestão de qualidade entre os funcionários.

3. Projetar uma base para a implementação do sistema de gestão de qualidade

Depois da avaliação, toda a base do sistema de gestão de qualidade e suas prioridades devem ser projetadas. Tal qual acontece na base de uma edificação, esses passos são necessários para a sustentação de tudo o que será realizado a seguir. Aqui, começam a ser definidos os responsáveis e os principais tópicos a serem abordados. Essa fase será complementada pela etapa seguinte.

4. Determinar metas e seus indicadores

Com base em tudo o que foi discutido e pensando, também, na visão da empresa, é preciso determinar metas e seus indicadores. As metas podem ser tanto para a obtenção da qualidade em si como objetivos que devem ser alcançados através dela. Os indicadores serão os responsáveis por informar se a meta está, realmente, sendo atingida.

Exemplo 1:

Meta: ter todos os engenheiros capacitados quanto à gestão da qualidade.

Indicador: número de treinamentos realizados e a presença neles.

Exemplo 2:

Meta: aumentar a produtividade.

Indicador: comparação entre a produtividade anterior e a nova produtividade após a gestão de qualidade.

5. Realizar treinamentos e buscar melhorias constantes

Não se consegue qualidade do dia para a noite. É necessário investir em treinamentos e eles precisam ser refinados com dicas e melhorias, sempre com a participação daqueles que realmente executem o trabalho.

Além do mais, não adianta realizar uma capacitação se as pessoas não estão dispostas a seguir as novas recomendações. Por isso, todos precisam entender a importância disso e fazer parte da mudança.

Os serviços devem ser padronizados e, no geral, todos devem efetuar seu trabalho de maneira semelhante. Aqui, podem ser promovidas rodas de conversas entre os mais experientes para destacar as melhores práticas de cada funcionário.

6. Fazer auditorias internas e externas

A melhor forma de checar se tudo está de acordo com o planejado na elaboração do sistema de gestão de qualidade é realizando auditorias internas e externas. Elas devem ser periódicas e detalhadas, analisar o que tem sido feito e gerar um relatório com sugestões de melhorias.

7. Acompanhar todo o sistema de gestão de qualidade e promover revisões

Um sistema de gestão de qualidade jamais estará perfeito e revisões sempre serão necessárias. O acompanhamento também é imprescindível, já que muitas informações podem ser perdidas se tiverem sido coletadas há muito tempo.

Conclusão

Quando bem implantado e com contínuo uso e aperfeiçoamento, o sistema de gestão de qualidade tende a eliminar problemas, aumentando a produção, reduzindo custos e possibilitando um cronograma realista (além do fato de que possuir um certificado de qualidade é um diferencial no mercado).

A implantação do SGQ é recompensadora, e todas as dificuldades encontradas durante o processo farão com que a empresa se torne mais forte na busca por excelência e competitividade.

O que você achou desse artigo? Talvez, agora, seja interessante você conferir esse kit gratuito de conteúdo sobre qualidade na construção civil para consolidar seu conhecimento no assunto!

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *