Automação residencial na construção civil: repense seu projeto

Nos últimos tempos, os avanços da tecnologia transformaram o modo com que as pessoas vivem. Os equipamentos e sistemas inteligentes são cada vez mais comuns e tornam  o dia a dia das pessoas mais prático e funcional. E foi seguindo essa tendência que o conceito de automação residencial surgiu.

As indústrias foram, por muito tempo, os únicos setores onde se adotava a automação com o intuito de otimizar e facilitar o trabalho. Ou seja, utilizavam máquinas que fossem capazes de substituir os operários em trabalhos manuais.

Mas, agora que a tecnologia se tornou muito mais eficiente e barata, a automação é usada em quase todos os setores – inclusive nas residências. Assim, surgiram as chamadas casas e edifícios inteligentes, cada vez mais populares em todo o mundo.

O que é automação residencial?

A automação residencial é também conhecida como casa inteligente (ou smart home, em inglês), casa autônoma ou domótica – termo que provém do latim e pode ser traduzida como casa robótica. Essas definições remetem à uma residência que permite ao morador controlar determinados dispositivos de modo remoto e integrado.

Esse é um conceito que une diversos sistemas tecnológicos presentes no lar e os utiliza de forma automatizada para aperfeiçoar a funcionalidade, o conforto, a manutenção e o uso de energia e segurança dos empreendimentos. Desse modo, os moradores podem gerenciar todos os dispositivos e monitorar várias funções do imóvel através da rede.

Com o uso da automação residencial, podemos, por exemplo, fazer com que a iluminação e a climatização da casa sejam programadas para se adaptar aos horários e preferências dos moradores, regulando a luminosidade e a temperatura interior conforme necessário.

Também é possível otimizar a segurança da casa, tornando-a mais eficaz. O morador pode, por exemplo, monitorar a residência de onde estiver e acompanhar as aberturas de portas e janelas, ou acionar remotamente os serviços de emergência, através de dispositivos móveis.

As vantagens da automação residencial fazem dela uma grande tendência para o mercado nos próximos anos. Por isso, o setor da construção civil, que está sendo inserido na era digital, precisa adotar o conceito e torná-lo cada vez mais comum em casas e edifícios.

Automação residencial: nova tendência

Quando se fala em casas inteligentes, muitas pessoas associam o termo a imóveis de luxo. Mas a automação residencial, aos poucos, está atraindo diferentes tipos de compradores.

Incluir sistemas automatizados em uma residência, vem se tornando uma exigência por parte dos consumidores. Por isso, as construtoras que desejam se manter competitivas no mercado precisam começar a repensar seus projetos.

São vários os benefícios que a automação residencial traz. Ela pode ser integrada aos projetos das construtoras de maneira prática, ao mesmo tempo em que agrega conforto e praticidade ao cotidiano dos futuros moradores. Além disso, esse tipo de empreendimento visa melhorar o conforto, a segurança e o consumo de energia elétrica.

Para aumentar o conforto, é possível criar sistemas de automação de áudio e vídeo. Essas tecnologias permitem ao morador controlar os equipamentos através de dispositivos móveis e adaptar-se a diferentes ocasiões, trazendo eficácia e eliminando a necessidade de vários controles remotos.

Já se tratando da redução no consumo de energia, a automação residencial pode dar ao consumidor maior controle sobre os sistemas de climatização e iluminação, os quais passam a agir de acordo com os padrões e horários da rotina configurados.

Tratando-se de segurança, as casas inteligentes permitem que o morador gerencie, grave, assista e até implemente sistemas de detecção de movimentos através de câmeras que funcionam por acesso remoto. Também há sistemas que monitoram os acessos às entradas da casa, como portas e janelas, e controlam as fechaduras.

Mas, para que uma residência possa utilizar os conceitos da automação de maneira eficaz, é necessário que a construção seja pensada e voltada para isso. Assim, o projeto é uma parte crucial para o funcionamento dos sistemas.

Pensar na automação residencial já na etapa de projeto?

São vários os fatores que devem ser definidos ainda na etapa de projeto de um empreendimento. Dentre eles, é preciso listar materiais, equipamentos e sistemas que permitam a passagem dos sinais de rede e dos fios, possibilitando a funcionalidade da edificação. 

Hoje, a automação se dá por meio de redes que funcionam através de ondas de rádio. Que se propagam pelo ar, mas sofrem interferências quando encontram obstáculos, tais como os metais, as paredes, os espelhos e até mesmo os elementos de madeira.

Outro fator que torna o sinal mais fraco é a distância entre a fonte e o receptor do sinal. Por isso, um projeto focado na automação residencial deve minimizar obstáculos, permitindo que o sinal de rede chegue, de maneira forte, à todas as partes do edifício ou casa inteligente.

O projeto deve ter também lugares estratégicos para posicionamento dos dispositivos autônomos que farão parte da residência, tirando proveito, inclusive, das áreas comuns em condomínios. Bem como prever que muitos desses sistemas precisarão utilizar fios, os quais devem ser distribuídos de uma forma organizada e segura, para evitar incêndios ou curtos.

Contar com profissionais especializados na área elétrica é essencial. Afinal, essa parte da construção define o funcionamento e a segurança das smart homes. Fazer as instalações elétricas de modo correto é também uma forma de economizar energia elétrica e proteger os equipamentos autônomos.

O mercado da automação residencial está crescendo em ritmo acelerado no Brasil. A todo momento, surgem novas tecnologias a serem incorporadas nas edificações para melhorar a sua eficiência. É uma questão de tempo para que os preços fiquem ainda mais acessíveis e os empreendimentos inteligentes sejam realidade em boa parte do país.

Já se fala em cidades inteligentes; ou seja, cidades em que a automação não ocorre só na residência, mas também entre as próprias edificações. Portanto, a tendência da engenharia civil para cumprir com as exigências do mercado é que os profissionais da área conheçam e apliquem os conceitos de automação residencial.

Agora que você já sabe o que é a automação residencial e qual a importância de começar a aplicá-la nos empreendimentos futuros, tem alguma dúvida ou sugestão? Comente abaixo!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *