Manual do proprietário de imóveis: qual sua importância e como elaborá-lo?

No mercado atual, as empresas se preocupam cada vez mais em garantir a satisfação de seus clientes. Investir na elaboração de um manual do proprietário adequado, é uma excelente forma para superar as expectativas e criar um público fiel.

A seguir, entenda mais sobre esse tipo de material e a sua importância para construtoras e consumidores. Além disso, descubra como elaborar o seu!

Afinal, o que é o manual do proprietário?

O manual do proprietário é um documento que contém informações importantes sobre o imóvel adquirido por um determinado cliente. Informações como infraestrutura, localização e área, bem como os materiais utilizados e as técnicas adotadas durante a sua construção estão presentes neste manual.

Nele, são apresentadas as garantias previstas, além de dicas de manutenção da estrutura, a fim de que não ocorram transtornos por eventuais reformas incorretas e/ou usos indevidos do local.

Por que é importante para os consumidores?

Por meio de um bom manual do proprietário, a construtora pode informar quais são os direitos e obrigações de quem adquiriu o imóvel. Discorrendo claramente sobre as atitudes que podem acarretar na perda de garantia ou até em riscos para as instalações.

O material ainda traz dicas úteis sobre como lidar com situações do dia a dia. Pode descrever, por exemplo, o melhor padrão de furos nas paredes para instalação de móveis e eletros, como consertar uma torneira com vazamento, entre outras questões.

Por isso, em poucas palavras, o manual do proprietário nada mais é do que um guia completo de cuidados com um imóvel. Para que práticas inadequadas, como certos tipos de reformas ou manutenções, sejam evitadas e não causem transtornos.

Qual a sua relevância para as construtoras?

O relacionamento entre as construtoras e seus clientes é diferente daqueles mantidos em outros segmentos. Já que, às vezes, o envolvimento é de longo prazo, estendendo-se desde o período da construção até a entrega das chaves e o pós-venda.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a disponibilização do manual do proprietário é obrigatória e regida pela Norma Brasileira nº 14037 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que define o seu conteúdo.

Mais do que esclarecer as condições de utilização do imóvel, esse tipo de recurso visa a minimização da ocorrência de problemas. Além disso, fornece uma garantia ainda maior de satisfação aos consumidores.

Com uma oferta cada vez maior de negócios no mercado, as empresas necessitam agregar diferenciais em seus produtos. Sendo assim, o manual funciona como uma extensão efetiva da venda.

Que estrutura e quais requisitos seguir em sua elaboração?

As questões que precisam ser consideradas por empreendedores do segmento construtivo, os quais desejam garantir um padrão de excelência aos seus clientes, são diversas. Mais do que validar as boas práticas na hora da entrega das chaves, é preciso garantir a boa experiência a ser vivida pelos proprietários.

Um bom manual é importante para atingir esse objetivo. Porém seu conteúdo deve fiel às reais situações do imóvel e trilhar os padrões estipulados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Além de atentar-se ao cumprimento de Normas Regulamentadoras determinadas pelo MTE, obter os documentos e registros obrigatórios de cada obra e ainda ter cuidado com todos os controles de vistoria e entrega, os profissionais da construção civil precisam estar atentos à NBR 14.037, a qual estabelece o que deve ser incluído no manual do proprietário.

O que diz a norma NBR 14.037?

Segundo a Norma Brasileira (NBR), o material deve ser iniciado com uma introdução sobre a estrutura do conteúdo, seguido de um índice com as suas categorias. Depois, é sugerida uma tabela de revisão, que pode ser preenchida com os dados sobre identificação, data e responsável técnico do item revisado individualmente.

O formato do manual do proprietário pode variar de acordo com a complexidade de cada construção. Alguns modelos dividem o seu conteúdo entre o perfil de leitores a quem ele é direcionado, enquanto outros preveem seções classificadas para sistemas específicos.

Por mais que a organização do material seja livre, todos os manuais relativos a instalações, componentes e equipamentos devem ser obrigatoriamente anexados ao documento.

Existem diversos modelos prontos para que as construtoras possam elaborar o seu manual do proprietário próprio, seja na internet ou por meio de órgãos ligados à construção civil. O recomendado é que seja desenvolvida uma versão exclusiva para cada edificação – e até apartamento -, a fim de garantir a concreticidade das descrições.

Lembre-se: o principal quesito cobrado pela NBR 14.037 é que o manual seja acessível aos seus leitores.

O que deve constar no manual do proprietário?

Basicamente, além do padrão já descrito, os itens que precisam constar no seu manual do proprietário devem atender às seguintes exigências:

  • Faça um termo de garantia. Considere itens do imóvel, prazos de ressarcimento, período de assistência, condições para perda, entre outras informações importantes a fim de que os clientes entendam seus direitos;
  • Elabore um memorial com representações escritas e ilustrativas da edificação. Essas informações devem vir junto a dados sobre cargas de estruturas, capacidade de circuitos elétricos, detalhes dos componentes de acabamento, vazões, entre outros;
  • Esclareça a sua relação com os fornecedores. Mesmo que não seja algo obrigatório, é amplamente recomendado o fornecimento de dados sobre a participação efetiva de cada empresa responsável por determinadas atividades na obra, bem como suas informações atualizadas de contato;
  • Descreva os cuidados de utilização e manutenção. Preveja itens e sistemas que compõem o imóvel e indique o melhor desempenho e aproveitamento de sua vida útil;  
  • Não abra mão das informações complementares. Nesta seção você pode discorrer sobre temas como instalações hidráulicas, sistemas de atenuação acústica para uso de saunas, iluminação de emergência, entre outros dados adicionais.

O responsável pela elaboração do material deve ter em mente que o seu conteúdo precisa descrever todas as informações necessárias, a fim de que o proprietário faça o melhor uso possível do seu imóvel.

É importante que o manual da sua empresa seja altamente legível e compreensível! Quanto maior a riqueza de detalhes e melhor a linguagem utilizada, mais efetivo será o pós-venda.

Agora, conte para nós: você já conhecia o manual do proprietário e os benefícios que ele traz para as construtoras e seus clientes? Não deixe de compartilhar experiências conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *