IPD: entenda a tendência para projetos colaboracionistas na indústria da construção

O sucesso de uma obra não é apenas definido pela qualidade da construção, mas por uma série de fatores que envolvem todo o processo de edificação e dos profissionais envolvidos. Cada habilidade pode ser combinada no chamado Integrated Project Delivery (IPD).

Mas, afinal, o que significa IPD na prática e como esse conceito pode transformar a indústria da construção civil?

A ideia desse conceito é de que todos os talentos sejam reunidos em um objetivo: trabalhar com o máximo de eficiência para entregar aos clientes um resultado positivo, ou seja, um projeto bem executado e que seja feito de acordo com o cronograma e respeitando o orçamento.

Acompanhe nosso conteúdo e descubra de que forma esse método facilita os processos de construção, traz mais agilidade e eficiência para a obra.

O que é IPD?

Em uma tradução livre, IPD significa Entrega Integrada de Projetos e representa um método de trabalho colaborativo intersetorial. Esse conceito, que envolve design, engenharia e produção, consiste em aproveitar o talento de todos os profissionais envolvidos na obra para produzir um resultado de qualidade. O IPD é uma das formas de inovação da área.

Essa união entre diferentes setores tem o objetivo de aumentar a qualidade do imóvel entregue ao proprietário. Além disso, esse método consiste em reduzir o desperdício de materiais e aplicar a eficiência como uma prática em todas as fases do projeto até a entrega.

O Integrated Project Delivery surgiu nos Estados Unidos como uma saída ao aumento da pressão para a diminuição dos custos de construção e prever todos os investimentos que o imóvel necessita.

Na prática,  os ganhos da aplicação do IPD são extensos. Menores custos, mais eficiência e rapidez na entrega e melhora da qualidade no design e arquitetura das edificações são apenas algumas das vantagens obtidas pela aplicação do IPD.

Quais os benefícios desse método?

Por se tratar de um método de trabalho colaborativo, a maior vantagem na adoção do IPD, sem dúvida, é a inserção de todas as equipes na busca pelo resultado. As metas são construídas pensando no conjunto de departamentos envolvidos, e as conquistas são compartilhadas entre todos. O IPD estimula o trabalho em equipe e se prova uma poderosa ferramenta na promoção do engajamento de todos em prol de um único objetivo.

Como a colaboração é interdepartamental, a confiança se torna fundamental, pois as equipes precisam conhecer e confiar umas nas outras para que o resultado final seja proveitoso tanto para os envolvidos quanto para os investidores e clientes.

Naturalmente, o resultado de um ambiente onde todos trabalham com o mesmo foco são tomadas de decisão mais precisas e estratégicas, além de uma comunicação mais valorizada.

Além das mudanças no comportamento e na forma de trabalho, existem outros benefícios importantes que a aplicação desse conceito traz ao canteiro de obras:

  • A tomada de decisões é feita em conjunto, ou seja, tudo é decidido em equipe. Essa união de importantes protagonistas da obra (engenheiros, arquitetos, designers) resulta na consolidação de objetivos em comum que são estipulados em prol da entrega mais rápida e de um produto de qualidade.
  • As equipes também compartilham as responsabilidades por todo o projeto. Isso representa que os riscos são compartilhados e as recompensas também.
  • Utilização do conjunto de habilidades de toda a equipe para atingir essas metas compartilhadas. Isso garante uma melhora na eficiência e na qualidade dos resultados.
  • A duração do projeto costuma ser menor por conta da integração e do trabalho intersetorial.

Processos tradicionais x IPD

Veremos, abaixo, algumas das diferenças entre o IPD e os antigos processos adotados na criação de projetos.

Equipes

Na forma tradicional de trabalho, os times são fragmentados, montados para atender a necessidades específicas dos projetos. Já no IPD, os grupos são dimensionados sob uma hierarquia mais rígida e controlada. No IPD, as equipes são estimuladas a trabalhar em conjunto e com foco na colaboração e na coletividade, deixando de lado o peso hierárquico.

Processos

Nos modelos convencionais de gerenciamento de projetos, os processos são lineares, específicos e segregados entre as equipes. Acumula-se muita informação, porém, não há um estímulo para o compartilhamento desse conhecimento entre as partes envolvidas.

Quando a empresa adota o IPD, o foco é depositado sobre a troca de experiências e a confiança mútua entre os times. Assim, os processos se tornam menos lineares e melhor distribuídos entre as equipes.  

Riscos

O IPD estimula o gerenciamento coletivo. Isso quer dizer que a soma de habilidades e conhecimentos de todos é colocada em prol da análise e diminuição de riscos.

Remuneração

Fator que move o trabalho da maioria das pessoas, a remuneração, no IPD, é determinada de acordo com o sucesso da equipe (e o consequente sucesso do projeto e da obra elaborada por esse grupo de colaboradores). A diferença em relação aos modelos tradicionais é o fato de o valor ser agregado, e não algo perseguido individualmente pelos times.

Comunicação e tecnologia envolvida

O IPD nasceu para ser digital. Como sua raiz é a colaboração, a comunicação e a transmissão de informações precisa ser otimizada, segura, rápida e transparente.

Acordos

Quando abordamos este aspecto, pensamos nos esforços e tratativas que as equipes precisam realizar entre si em prol do projeto. No modelo tradicional, a dedicação e o afinco são unilaterais, há pouco entrosamento e compartilhamento de responsabilidades.

O IPD modifica esse cenário e coloca todos os times em um plano horizontal, estimulando o trabalho em conjunto.

Integração no centro de tudo

A colaboração é a raiz do IPD. O compartilhamento de informações e trabalho em conjunto se inicia ainda na fase embrionária do projeto, quando arquitetos e designers estão propondo suas ideias.  A integração entre esses profissionais é a chave para economizar custos, procurar materiais adequados ao projeto, alinhar expectativas junto aos engenheiros, tudo para  atingir o melhor resultado possível.

A integração é uma das formas de evitar conflitos e divergências em relação ao projeto. Estimular processos de trabalho colaborativo e interdepartamental cria um engajamento mais amplo de todos os envolvidos e ajuda no alinhamento de expectativas e conceitos entre o projeto e a execução da obra, o que implica em resultados sólidos e em um cronograma de trabalho bem executado.

Essa ação ajuda no controle de gastos, evita que haja retrabalho. Essa colaboração entre as partes é uma das características do método de integração. No caso do design, a união de forças é essencial para evitar problemas graves no final do projeto.

Construir com eficiência

O modo tradicional de construção pode gerar  atrasos e desperdícios de recursos financeiros principalmente quando comparamos com métodos integrados de trabalho.

Com o IPD a construtora assegura uma gestão eficiente dos investimentos e no gerenciamento correto de uma obra. Os resultados do uso dessa metodologia prática, gera sucesso a longo prazo para todas as partes envolvidas.

Os profissionais conseguem trabalhar com eficiência e o pensamento no desenvolvimento colaborativo de um projeto. Isso afasta objetivos desalinhados e mantém os profissionais focados em objetivos em comum.

Conhecimento dividido e liderança compartilhada

Diferentemente do modelo tradicional, em que a hierarquia é unidirecional (de cima para baixo) e o agente no topo da pirâmide decide e impõe sua decisão sobre os demais, o IPD estimula a aliança estratégica entre setores e a liderança compartilhada. O fato de todos terem compromisso com o resultado final do projeto faz com que os gestores de cada equipe envolvida tornem-se parte de um time de profissionais responsáveis por tomar as decisões estratégicas.

Este modelo tem como principal vantagem o estímulo à cooperação e a criação de um projeto integrado em que todos detêm conhecimento sobre o que é desenvolvido e como é feito esse desenvolvimento.

A liderança dinâmica permite que os conhecimentos sejam divididos desde os primeiros estágios da construção de um projeto. Cada um pode contribuir à sua maneira e enriquecer o grupo de trabalho com suas ideias.

Isso tudo resulta em um projeto enriquecido de experiências de diversos setores, diminuição dos riscos e na melhoria dos processos comunicacionais na gestão dos recursos.

Decisão rápida

Por falar em tomadas de decisão, a velocidade com que elas são feitas pode afetar o andamento de uma obra e até mesmo comprometer seu resultado final. Com o IPD, a velocidade das definições é ainda maior e os riscos são menores, afinal, elas são fruto de um trabalho coletivo, que envolve todos os agentes protagonistas na concepção do projeto.

Isso tudo acontece por conta da integração das equipes, que geralmente ficam alojadas em um mesmo prédio ou escritório durante a duração de um projeto. Com isso, a comunicação se torna mais fluida e o gerenciamento é facilitado.

Caso haja algum problema durante um projeto, sua equipe contará com um fluxo de trabalho estruturado e democrático que permite uma tomada de decisão rápida. Essa precisão faz toda a diferença para a indústria da construção.

Analise os custos e compare a eficiência alcançada. Você verá que o resultado pode ser satisfatório tanto para a equipe envolvida na construção quanto para o cliente final, que irá receber um imóvel com muito mais qualidade e inteligência em seu projeto.

Gostou do conteúdo? Acesse nosso blog e acompanhe tudo sobre construção civil e como incrementar a produtividade no gerenciamento de obras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *