Como apropriar a depreciação no uso de equipamentos na construção civil

Cada equipamento usado na obra demanda custos além do combustível, da manutenção e da mão de obra que a opera. Com o passar do tempo, essa máquina sofre desgastes que ocasiona na perda de valor, diminuindo seu preço no mercado independentemente da tarefa por ela executada. Essa desvalorização é chamada de Depreciação. Ela reflete de forma significativa no orçamento da sua obra. E para te explicar mais sobre como apropriar depreciação no uso de equipamentos na construção civil, produzimos o post de hoje a fim de sua empresa saber lidar com isso. Acompanhe!

O que é depreciação?

A depreciação é o método de contabilizar o desgaste de bens físicos durante um determinado período. A perda de valor dessas propriedades é resultado do seu uso ao longo do tempo, obsolescência tecnológica ou danos operacionais que comprometam a vida útil dos aparelhos.

Cada máquina possui uma vida útil própria. Em geral, o fabricante fornece o tempo de funcionamento desse aparelho. Os anexos da Instrução Normativa SRF nº162/1998 (alterada pela SRF nº130/1999) determinam no máximo 10 anos de vida útil para cada instrumento usado na construção civil. Ou seja, a depreciação pode acontecer antes, mas nunca passará do tempo estabelecido por lei.

Como calcular a taxa de depreciação?

O cálculo é bem simples: pelas normas, subtrai-se um percentual anual sobre o valor de compra da propriedade. Por exemplo, se a máquina custar R$100.000,00, e a taxa de depreciação é de 10%, pode ser descontado R$10.000,00 em um ano.

Contudo, há formas diferenciadas para calcular o valor depreciado de um equipamento. A seguir, veja algumas metodologias da depreciação.

Depreciação horária

Esse método de apropriação calcula a desvalorização do bem físico por hora operada.

Para este calculo, é considerado o valor total da máquina, já com o desconto do percentual de depreciação e dividido pela quantidade total de horas trabalhadas.

A vantagem dessa metodologia é calcular detalhadamente a depreciação do produto. Calcula-se a desvalorização por cada operação, ou seja, por hora, facilitando a contabilidade fechar de forma mais precisa os valores depreciados e acompanhar a vida útil de cada máquina de acordo com seu desempenho.

Método Linear

A depreciação linear consiste em calcular um valor fixo anual, ou mensal, para a depreciação de um bem em função de sua vida útil estimada. Ou seja, o custo é o quociente entre o valor a ser depreciado e a vida útil definida. Por ser um método simples e funcional de calcular a depreciação, é um dos mais usados atualmente.

Método Acelerado

Diferente da forma linear, no método acelerado a depreciação é maior nos primeiros anos de vida útil da propriedade física, diminuindo o valor de perda ao longo do ano.

A vantagem dessa metodologia é contabilizar rapidamente o pagamento do produto, reduzindo o custo de propriedade do maquinário quando se encontra em idade avançada. A taxa de depreciação varia de acordo com os anos. Primeiro, somam-se os anos de vida útil; depois, criam-se razões dos números do período em ordem decrescente e o total de cada ano.

É o método muito utilizado pelos orçamentistas pois, muitas vezes, eles não sabem de antemão qual o equipamento a ser utilizado e nem o tempo de uso específico do mesmo. Nessa metodologia, à medida que o custo da propriedade é reduzido, a despesa de manutenção aumenta devido ao tempo de uso. Na prática, esse método compensa o linear. No final das contas, os resultados serão os mesmos.

Viu como é importante apropriar a depreciação no uso de equipamentos? Essa prática pode fazer toda a diferença em sua obra. Para mais dicas como essa acompanhe nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *