Descarte de entulho: como dar o destino correto aos resíduos sem onerar a obra?

Realizar o descarte de entulho adequadamente é um cuidado imprescindível para qualquer empresa do ramo construtivo, tanto em termos gerenciais quanto legais!

A seguir, descubra o que caracteriza o entulho, qual a importância do seu manejo adequado, o que a lei diz sobre esse tema e como otimizar os seus processos por meio de tecnologias ligadas à área.

Tudo sobre descarte de entulho!

O que é considerado entulho?

Entulho é o nome dado para todo resíduo resultante da construção civil, seja durante construções, reformas, nivelamentos, demolições ou escavações.

Geralmente ele é formado por restos e fragmentos de concreto, areia, tijolos, pedregulhos e outros resíduos de materiais inúteis advindos das obras.

Na maioria dos casos, o descarte de entulho é direcionado a aterramentos, projetos de nivelamento, cobertura de valas, entre outros semelhantes, mas existem outras formas de reaproveitá-lo com mais eficiência!

Grande parte dos materiais presentes nesses resíduos pode ser reciclada, permitindo a produção de produtos agregados, como areia, brita e argila,  que podem ser reaproveitados no segmento.

Quando esse tipo de cuidado é adotado, muitos ganhos são garantidos, tanto do ponto de vista ecológico, quanto em relação à eficiência e lucratividade das atividades construtivas.

No próximo item, saiba ainda mais sobre a importância do descarte de entulho correto e porque ele não deve ser negligenciado em nenhum tipo de obra.

Qual a importância do descarte correto de entulho?

Quando tratamos sobre resíduos passíveis de reaproveitamento, como blocos, telhas e azulejos, o correto gerenciamento do descarte de entulho garante o reaproveitamento correto desses materiais, evitando desperdícios.

Há ainda situações em que esses itens podem ser reciclados, como é o caso de papelão, madeiras, plásticos, entre outros semelhantes.

Em ambas as situações, essa é uma forma de manter a sustentabilidade das obras, evitando descartes desnecessários e os impactos que esses materiais podem causar na natureza.

Quando o entulho não pode ser reaproveitado ou reciclado, como no caso dos restos de concreto, pedaços de tijolos e afins, devem ser encaminhados para aterros sanitários próprios para essa finalidade.

Cada cidade tem uma regra específica para o uso desses aterros, por isso é necessário consultar a prefeitura e respeitar suas orientações quanto a esse tipo de atividade.

Existem ainda aqueles materiais inflamáveis ou que provocam riscos de contaminação, como é o caso de solventes ou tintas. Nesses casos, é necessário um encaminhamento para áreas de triagem, transbordo ou ainda à aterros industriais, que são próprios para esse fim.

A preocupação com a sustentabilidade e o rendimento das obras vem ganhando força nos últimos anos, e o descarte de entulho correto faz parte desse tipo de cuidado!

Uma boa gestão de resíduos garante que menos produtos sejam desperdiçados, que itens nocivos à natureza gerem danos aos ecossistemas e que a saúde humana seja comprometida por descartes inadequados.

Descubra, no próximo item, quais são as leis que precisam ser seguidas sobre o tema.

Quais as principais exigências legais relacionadas ao tema?

Em nível nacional, as principais normas que versam sobre o descarte de entulho estão na resolução 307/2002 do Conselho Nacional de Meio Ambiente.

Segundo o CONAMA, os resíduos devem ser classificados em quatro tipos diferentes, que são determinadas de acordo com a sua capacidade de reaproveitamento e são divididos em classes de A à D.

Outra lei federal que precisa ser considerada pelos geradores de entulho, bem como por seus transportadores e administradores públicos, é a 12.305/2010, que estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Por meio dessa norma, são apontados os parâmetros para que as cidades criem seus Planos Municipais de Gestão de Resíduos da Construção Civil.

Nele, são incluídas indicações sobre as áreas recomendadas para o descarte dos resíduos, meios para que elas sejam licenciadas, programas de incentivo de redução e reciclagem dos entulhos, entre outros.

Caso um município não se enquadre ao que prevê a lei 12.305/2010, seu direito ao repasse de verbas do Governo Federal é perdido.

Para as construtoras, é exigido que seja implantado um plano correto para o gerenciamento dos resíduos, que visem evitar desperdícios de materiais, estabelecer ações de reaproveitamento, além da destinação correta para o descarte de entulho quando a reciclagem não for possível.

Os próprios responsáveis pela logística desse tipo de material, como as empresas de caçambas, por exemplo, também possuem responsabilidade legal sob esse aspecto, tendo exigência de respeitar os padrões de destinação para os centros de reciclagem ou aterros.

Caso os responsáveis pela geração do resíduo e seu transporte não respeitem os parâmetros legais previstos em leis, multas podem ser aplicadas e suas atividades suspensas em casos de reincidência.  

Também existem padrões específicos para o descarte de entulho estipulados pela ABNT. Eles estão divididos em 5 NBR’s que tratam de cada tipo de resíduo e a utilização dos materiais reciclados em obras.

Não é novidade que os projetos construtivos estão cada vez mais complexos. Levando isso em consideração, garantir um controle minucioso para o descarte de entulho exige métodos de gerenciamento cada vez mais sofisticados!

No item seguinte, veja como a tecnologia é empregada nessa área para que as empresas otimizem as suas atividades, economizem recursos e garantam pleno alinhamento com o que é exigido em lei.

Como a tecnologia pode otimizar o descarte de entulho?

Por meio de um bom sistema automatizado de gestão, é possível controlar todos os insumos de uma obra, que acabam refletindo na eficiência do descarte de entulho.

Esses itens podem ser geridos minuciosamente através de relatórios completos, com funcionalidades que incluem cadastros por item, obra, localidade e quantidade.

Graças a esse tipo de tecnologia, é possível classificar e encaminhar os materiais de maneira muito mais eficiente, rápida e prática até aterros, centros de reciclagem ou para o descarte adequado.

Quer saber ainda mais sobre como otimizar o seu descarte de entulho e garantir a melhor gestão para o seu estoque e suas obras? Então continue acompanhando o conteúdo exclusivo do nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *