Aditivos para concreto: descubra como escolher o melhor para sua construtora

Aditivos para concreto são produtos que adicionamos ao concreto ou a argamassas para modificar suas propriedades físicas. Sobretudo, são utilizados para adaptar a mistura de cimento, água, areia e brita com base no resultado almejado em uma obra.

Podem servir para diversas finalidades distintas, dependendo do objetivo da construtora, como veremos a seguir! 

Para obter todas as vantagens possíveis relacionadas aos aditivos para concreto, é essencial estudar e entender em detalhes as especificidades da obra. Afinal, só assim será possível escolher o aditivo ideal para cada situação!

Continue a leitura para entender melhor.

Aditivos para concreto: principais tipos e funcionalidades

Segundo a NBR 11768:2011, aditivo é o produto adicionado durante o processo de preparação do concreto. Em quantidade não maior que 5% da massa de material cimentício contida no mesmo. O objetivo principal é claro: modificar suas propriedades no estado fresco e/ou no estado endurecido. 

A norma da ABNT classifica os principais aditivos para concreto de acordo com suas aplicações na construção civil:

  • Tipo P: funciona como plastificante ou redutor de água;
  • Tipo A: acelera o tempo de pega;
  • Tipo R: retarda o tempo de pega;
  • Tipo PR: é usado como plastificante e retardador do tempo de pega;
  • Tipo PA: é usado como plastificante e acelerador do tempo de pega;
  • Tipo IAR: cumpre a função de incorporador de ar;
  • Tipo SP: é um superplastificante (mínimo 12% de redução de água);
  • Tipo SPR: é um superplastificante retardador do tempo de pega;
  • Tipo SPA: é um superplastificante acelerador do tempo de pega.

Assim sendo, além dos aditivos para concreto classificados pela norma da ABNT, existem os aditivos conhecidos como especiais – cuja utilização se destina a casos mais específicos. As funções mais comuns destes incluem:

  • Alteração de viscosidade;
  • Inibição da corrosão;
  • Redução da permeabilidade capilar;
  • Preparação de concreto extrusado e vibro-prensado;
  • Redução e compensação de retração por secagem;
  • Redução da reação álcali-agregado e a retenção de água.

A eficácia de cada tipo dependerá, de fato, da quantidade acrescentada ao concreto, do tipo de cimento, da temperatura do ambiente e dos materiais utilizados para a preparação da mistura cimentícia.

A classificação dos aditivos para concreto variam de acordo com a função que desempenham. Descubra mais abaixo! 

Incorporadores de ar

São aditivos responsáveis por reduzir a tensão superficial da água através da criação de micro-bolhas que aumentam a resistência do concreto. Diminuem o atrito entre os sólidos e tornam o material mais uniforme. Contribuem, ainda, para acabamentos com mais qualidade e minimizam os efeitos do fenômeno gelo-degelo.

Indicações: concretos pobres em material fino, para pisos de câmaras frigoríficas, leves e celulares e na produção de misturas fluidas.

Plastificantes ou redutores de água

São formados por moléculas com extremidades laterais com superfícies positivas e cargas negativas. A primeira se prende aos grãos de cimento ao mesmo tempo em que a segunda permanece exposta ao meio. A repulsão que ocorre entre as cargas negativas torna o cimento mais maleável.

Portanto, aditivos para concreto dos tipos P, PF e SP possibilitam que misturas sejam preparadas com menos água, sem perder a trabalhabilidade. Aumentam, ainda, a trabalhabilidade sem precisar do acréscimo de água.

Indicações: diminuir o consumo de cimento, melhorar o abatimento. 

Aceleradores

São aditivos para concreto que aceleram o tempo de pega. 

Os aceleradores facilitam as reações iniciais de hidratação e endurecimento. Além de diminuir o tempo de dissolução de cal, sílica e alumina. Por isso, a moldagem do concreto pode ser feita em temperaturas mais baixas, o que reduz o tempo de acabamento de projetos.

Indicações: pré-moldados, pavimentação, projetos que usam a tecnologia fast track.

Retardadores

São aditivos para concreto que atrasam o tempo de pega, retardando a osmose da água e flexibilizando o tempo de trabalhabilidade e acabamento da mistura de concreto ou argamassa.

Indicações: aplicações complexas em climas quentes, concretagens longas e de grande volume.

Superplastificantes

São mais potentes que os aditivos plastificantes e, por isso, as dosagens utilizadas são menores. Além da repulsão eletrostática devido à carga negativa da extremidade, também afasta as partículas de cimento por repulsão estérica. Os períodos de eficiência variam entre 30 minutos e uma hora e meia.

Por serem mais caros que os plastificantes e terem campo de aplicação limitado, não são viáveis para quem busca a redução de custos da obra.

Indicados para: produzir concreto auto-adensável ou de alta-resistência.

Mas afinal, o uso de aditivos para concreto vale a pena?

A inclusão de aditivos no preparo das misturas de concreto não é obrigatória. Ainda assim, muitos profissionais da área os veem como indispensáveis para construtoras que desejam trabalhar com mais qualidade e menos custo.

O coordenador do laboratório de concreto da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Rubens Curti, acredita que não se pode obter concretos econômicos e de boa qualidade sem a presença de aditivos. Para ele, muito embora a ausência dos aditivos para concreto na composição da mistura não torne o produto menos resistente, o consumo certamente será maior, encarecendo a obra.

Apesar disso, é importante atentar para algumas possíveis desvantagens dos aditivos para concreto. Principalmente no que diz respeito ao seu uso, por exemplo:

  • Incorporador de ar: necessita de controle minucioso na porcentagem do ar incorporado e do tempo de mistura;
  • Superplastificante: oferece riscos de segregação da mistura e pode aumentar a perda de consistência;
  • Retardadores: pode ampliar a retração plástica do concreto ou promover exsudação. 

Independentemente da escolha pelos aditivos ou não, torna-se necessário estudar os prós e contras de sua aplicação. Levando em conta a obra em si, os gastos e a qualidade do resultado final! 

Quer saber mais sobre este tema ou outros assuntos relevantes do setor? Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo! 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *