Como obedecer ao orçamento das obras: controles e métricas

O resultado de um bom planejamento é o cronograma da obra que expressa a programação sobre todos os serviços que serão realizados durante o projeto. Seu conteúdo contempla as fases gerais da construção, como estrutura, demolição, revestimento, pavimentação, alvenaria e serviços específicos, como a instalação das esquadrias de um edifício.

Já os valores a serem gastos em cada etapa são mostrados pelo cronograma físico-financeiro, onde é possível visualizar o percentual de avanço de todas as entregas do projeto e os custos envolvidos. A seguir, veja como aprimorar o controle e o acompanhamento de métricas que visam obedecer ao orçamento da obra.

A programação de cada etapa
A organização e o controle de cada etapa da obra permitem que a construtora compre materiais, equipamentos e contrate mão de obra exatamente na medidade da sua necessidade. Caso contrário, a obra atrasa. Se fizer antes do programado, há um risco de perda de materiais estocados e gastos com mão de obra e equipamentos que não são usados.

Para a elaboração do cronograma físico-financeiro, responsáveis diretamente envolvidos com a obra devem participar, como engenheiros, proprietários, mestres de obras, orçamentistas e arquitetos. Depois de pronto, a possibilidade de alteração na programação é mínima.

Organizando o caixa
No orçamento da obra, o controle das despesas com a execução de serviços envolvidos em cada etapa é fundamental. As informações devem ser detalhadas semanalmente ou mensalmente, dependendo do porte e do tipo de construção.

O cronograma permite que os gestores de caixa do projeto saibam exatamente qual o valor a ser gasto e em que tempo ele será aplicado. Isso evita empréstimos e despesas imprevistas. Há ainda a possibilidade de planejamento e controle do dinheiro que ainda não foi gasto, o que pode render juros no banco e reduzir as despesas da construtora.

A linha do tempo
O cronograma ressalta, através de uma linha do tempo, o início e o término de cada uma das atividades ou etapas envolvidas na obra. Dessa forma, é possível verificar rapidamente o andamento dos serviços e ter o controle dos que estão sendo operados no canteiro. Além disso, é possível definir prioridades e concentrar o foco em equipes que estejam atrasadas em relação às demais.

Apuração de desempenho
É importante fazer um acompanhamento da obra realizando visitas constantes no canteiro, a fim de gerar relatórios de dados, medir custos e cobrar metas de serviços. Assim, o engenheiro não precisa esperar a próxima medição de dados para tomar providências junto à equipe de produção, otimizando o controle de atrasos e prejuízos financeiros. Os relatórios gerados devem conter o histograma de mão de obra, apuração de causas relativas ao descumprimento de metas, relação de atividades atrasadas e adiantadas daquele período e gráficos de desempenho. A partir disso, é realizada a reprogramação das metas para o próximo mês.

Análise do valor agregado
A técnica da análise do valor agregado deve ser utilizada para o acompanhamento e controle financeiro, pois gera resultados precisos de acordo com os dados reais de tempo e custo. Isso permite que a equipe avalie a situação atual do projeto, constatando se ele consome mais dinheiro para realizar uma determinada tarefa ou se está gastando mais rápido porque o projeto está adiantado.

Todos os itens citados acima dependem do know-how e capacidade estratégica dos profissionais envolvidos. Contudo, por mais que a necessidade de especialização humana perdure ao longo dos anos, o surgimento tem facilitado – e muito – a realização desse tipo de planejamento estratégico.

Aplicativos móveis, por exemplo, têm se mostrado grandes aliados na melhoria de processos relacionados ao controle e gerenciamento de obras, o que também impacta no aumento da qualidade dos resultados finais de um projeto. Abrangendo funções antes executadas com relativa dificuldade, isso tem diminuído os índices de problemas operacionais e dando mais oportunidade aos gestores de buscarem novas soluções para suas empreitadas.

Ainda assunto, recomendamos que você confira três publicações que realizamos que abordam esses mesmos tópicos e complementam o que propusemos:

Como você planeja os cronogramas das suas obras? Quais são as principais qualidades e os principais defeitos desse planejamento?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *