3 dicas para melhorar o orçamento de uma obra

Todo engenheiro, do orçamentista ao gerente de obras, sabe: o orçamento da obra é uma das peças técnicas mais importantes de um projeto. De fato, esse documento serve para avaliações iniciais em uma tomada de decisão sobre a implantação de um determinado empreendimento — no caso de orçamentos estimativos elaborados em avaliações expeditas — e até detalhamentos finais para a execução da obra propriamente dita, quando são elaborados os orçamentos analíticos.

Mesmo sabendo que esse é um importante documento, alguns profissionais ainda cometem erros crassos, que acabam interferindo na precisão do orçamento. E isso não é nada recomendável: orçamentos com erros podem impactar negativamente no cumprimento de cronograma e dos valores globais estabelecidos para a execução dos serviços, com repercussões inclusive sobre a qualidade da obra.

Quer se livrar desses problemas e elaborar planejamentos mais confiáveis e precisos? Então confira nossas 3 dicas para otimizar o orçamento da obra: 

Conheça a realidade do local de implantação da obra

Alguns profissionais cometem erros em seus orçamentos por não terem feito uma simples visita de campo. Apesar de não haver necessidade do orçamentista corrigir os projetos de arquitetura e engenharia, nada impede que esse profissional, de posse de todos os projetos, faça uma visita de campo para reconhecimento da área de implantação do empreendimento.

Às vezes, algumas informações importantes quanto ao relevo, tipo de solo local e ocorrência de áreas alagadiças, por exemplo, podem não ter sido devidamente explicitadas no projeto de forma clara.

Além disso, a visita de campo é de suma relevância para conhecer as condições do entorno e o mercado local. Verificar se existem jazidas próximas à área de implantação ou condições de acesso ao local por exemplo, é fundamental para definição correta do tipo, valores e tempo dos transportes, como também a escolha dos fornecedores.

Nesse exemplo em particular, verificar esses dados in loco tornará as aproximações feitas mais realistas, trazendo maior precisão ao orçamento e evitando a ocorrência de interferência e gargalos durante a execução dos serviços.

Esteja atento ao uso de tabelas referenciais

É muito comum a utilização de tabelas referenciais para elaboração de orçamentos, principalmente em se tratando de obras públicas. SINAPI (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil – Caixa) e SICRO(DNIT), são excelentes exemplos de tabelas referenciais de abrangência nacional, muito utilizadas pelos profissionais da área de orçamento.

Apesar de serem uma excelente fonte referencial para composição do orçamento, alguns dos itens dessas tabelas podem apresentar distorções de seus preços unitários em relação aos preços efetivamente praticados no mercado.

Por isso, é extremamente aconselhável que o profissional tome cuidado ao utilizar as composições de preços unitários dessas tabelas referenciais, a fim de não adotar em seu orçamento valores muito aquém ou além do preço praticado na região onde a obra será executada — o que poderia resultar em distorções significativas.

Detalhe ao máximo os custos unitários

Para compor o custo unitário de um determinado serviço, uma prática vista é adoção de  valores médios de custos com a produtividade e de consumo de insumos. Além disso, algumas simplificações são admitidas para o cálculo dos custos de depreciação e manutenção de máquinas e equipamentos.

Para assegurar maior precisão dos orçamentos, é indispensável que esses valores médios sejam constantemente revisados, adotando-se os valores reais que a construtora costuma alcançar. Isso aproximará ainda mais os valores orçados daqueles que serão efetivamente executados.

Elaborar um orçamento preciso não é tão complicado assim. Entretanto, essa tarefa exige um relativo grau de detalhamento e atenção às aproximações e simplificações feitas. Adotando essa conduta, a empresa certamente evitará distorções nos valores orçados, resultando na conclusão da obra dentro do orçamento definido, com reflexos positivos sobre a qualidade final da obra e, consequentemente, na imagem da empresa.

E aí, gostou do nosso post? Está preparado para aplicar essas dicas durante a elaboração do orçamento da obra? Compartilhe conosco sua experiência e ajude outros profissionais a se aperfeiçoarem mais e mais na árdua missão de elaborar orçamentos precisos. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *